Grupo argentino quer Brasília como polo aéreo internacional

Aeroporto de Brasília

O grupo argentino Corporación América pretende transformar o aeroporto de Brasília em um entroncamento internacional do transporte aéreo, depois de arrematar na segunda-feira o direito de explorá-lo, 2,6 bilhões de dólares.

O aeroporto de Brasília foi um dos três a serem terceirizados em leilão pelo governo, que pretende assim melhorar a administração desses locais para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016 no Rio. Os leilões – que incluíram também os aeroportos paulistas de Guarulhos e Viracopos – renderam cerca de 14 bilhões de dólares aos cofres públicos.

A Corporación América e a construtora brasileira Engevix ganharam o direito de explorar durante 25 anos o aeroporto de Brasília.

“Vemos Brasília como um aeroporto que tem muito para crescer. Deveria ser um polo não só nacional como internacional. Tem 13 por cento de tráfego internacional, e deveria ter 80 por cento”, disse à Reuters o diretor do grupo para a América Latina, Ezequiel Barrenechea. “Achamos que Brasília tem de ser a Washington da América Latina. Essa é a nossa visão.”

O grupo argentino e a Engevix já haviam vencido em 2011 a concorrência para a construção de um aeroporto em Natal, que também será uma das sedes da Copa. Foi a primeira vez que o governo de Dilma Rousseff abriu as portas para o capital privado no setor aeroportuário, crucial para o crescimento do país.

O consórcio disse na segunda-feira que investirá meio bilhão de dólares no aeroporto de Brasília nos primeiros cinco anos do contrato.

Segundo Barrenechea, os 4,5 bilhões de reais que a Corporación América e a Engevix prometem investir em Brasília até 2037 são uma cifra “lógica”, embora represente quase o dobro do mínimo previsto na licitação.

O BNDES financiará com 80 por cento do valor das obras, que segundo o executivo começarão entre maio e outubro, quando os novos administradores receberão 51 por cento das instalações.

“Um grande percentual do investimento é para a infraestrutura, e uma parte vai para sanear os (resultados financeiros dos) primeiros anos, quando vamos possivelmente ter um déficit por esse investimento”, afirmou.

Barrenechea não revelou o retorno esperado, e disse apenas que se trata de uma operação de longo prazo.

Mas ele ressaltou que o apetite da Corporación América pelos aeroportos do Brasil, onde o tráfego aéreo de passageiros cresceu 16 por cento em 2011, não se limita a Brasília.

“Está claríssimo que os aeroportos do Rio de Janeiro nos interessam. É muito possível que nos interessem mais os aeroportos do sul e centro do país do que os do norte, porque não queremos arrumar concorrência para Natal”, disse.

A Corporación América é uma empresa de capital privado, que já opera 48 aeroportos na América Latina e Europa.

Fonte: Agência Estado

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s