A chilenização da TAM

Airbus A330 da TAM

 

Uma das marcas registradas dos voos da TAM é a distribuição das balas Butter Toffees antes de o avião decolar. Uma ideia do próprio comandante Rolim Amaro – o empresário que transformou a TAM de uma modesta companhia área regional em uma operadora de expressão nacional –, ela era um símbolo do estilo da empresa tanto quanto o tapete vermelho e a recepção aos passageiros na porta do avião pelo comandante. Pois essa parceria de 11 anos com a argentina Arcor, a fabricante das balas, deve acabar ainda no primeiro semestre deste ano. Esse fato, aparentemente banal, pode ser considerado um símbolo dos novos tempos vividos pela TAM. Desde que anunciou a fusão com a LAN em agosto de 2010, que deu origem à Latam, maior companhia área da América Latina, o estilo chileno, mais austero, vem prevalecendo e se impondo na maior empresa de aviação comercial do Brasil.

Só com o fim da distribuição das balas, a TAM vai economizar R$ 1,5 milhão anualmente. Essa não é, no entanto, a única medida tomada pelos chilenos que afeta as operações da TAM. Eles também devem eliminar a primeira classe, oferecida em voos internacionais. Na LAN, ela nunca existiu. A Latam deve optar ainda pela aliança com a aérea OneWorld, deixando de lado a Star Alliance, da qual a TAM faz parte, em outra demonstração de força dos chilenos. Além disso, a Latam vai centralizar as compras de novos aviões. Afinal, quanto maior o pedido, menor o preço pago por aeronave. Por fim, vale lembrar que a Latam será comandada pelo chileno Enrique Cueto, que é chamado no seu país e por seus funcionários de “el jefe”. O empresário terá um papel crucial na aviação brasileira e influenciará nas decisões que norteiam a TAM.

Uma amostra da velocidade que está sendo imprimida ao processo de integração das companhias aconteceu em 10 de fevereiro. Nesse dia, a TAM anunciou a antecipação da saída do economista Líbano Barroso da presidência, dois meses antes do previsto. Barroso foi nomeado para chefiar a diretoria financeira da Latam, área em que fez carreira, trabalhando para os bancos Safra e Real, a concessionária de estradas CCR e a construtora Andrade Gutierrez. Marco Bologna, presidente da holding que administra outros negócios da família Amaro, acumulará a função deixada por Barroso. Fontes ouvidas por DINHEIRO afirmam que a mudança antes do previsto pode estar relacionada aos resultados financeiros instáveis da TAM nos últimos anos, que vinham desagradando aos parceiros chilenos

“A LAN tem uma malha menor que a TAM, mas é muito mais rentável”, afirma um analista. “Uma tem muito a acrescentar à outra, mas os chilenos não querem perder dinheiro.” Em 2009, quando Barroso assumiu a presidência, o lucro da companhia foi de R$ 1,3 bilhão. Em 2010, caiu para R$ 600 milhões. Na segunda-feira 13, a TAM divulgou os resultados referentes a 2011: um prejuízo de R$ 335 milhões. Já a LAN fechou o ano passado com um lucro de R$ 600 milhões. Postos em perspectiva, no entanto, os resultados obtidos na gestão de Barroso não podem ser considerados exatamente desastrosos. Desde 2008, quando estourou a crise financeira global, as companhias aéreas enfrentam uma série de dificuldades para manter o balanço no azul. Seus resultados são afetados pelo aumento dos gastos com combustível, de uma forma global, e com o impacto da valorização do dólar, no caso específico do Brasil. Agora, Barroso prestará contas a “el jefe”.

Fonte: http://www.istoedinh…ENIZACAO+DA+TAM

Anúncios

Um pensamento sobre “A chilenização da TAM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s