Reino Unido aprova decisão de voltar para os F-35B

Lockheed F-35A Lightning II

David Cameron aprovou um recuo importante em relação a aeronave para os novos porta-aviões da Royal Navy, a Marinha Real Britânica, abandonando seus planos para comprar a versão F-35C para retornar com a ideia original de adquirir as aeronaves JSF do modelo F-35B.

Philip Hammond, o secretário de Defesa, vai informar amanhã que o Governo vai agora comprar o modelo de decolagem curta e pouso vertical do avião, invertendo uma das decisões mais controversas da revisão de defesa do partido da Coligação.

O Conselho de Segurança Nacional do Primeiro-Ministro ontem considerou o plano de Hammond, que será anunciado para a Câmara dos Comuns.

Hammond vai reivindicar a decisão vai economizar centenas de milhões de libras e ajudar as Forças Armadas. Mas ele enfrentará acusações de um recuo impulsionado por erro de cálculo financeiro.

A decisão de comprar a versão embarcada em porta-aviões F-35C do JSF estava no centro da Revisão de Segurnaça e Defesa Estratégica em 2010.

Implantar essa aeronave exigiria modificações na nova classe de porta-aviões Queen Elizabeth, precisando instalar catapultas e cabos de parada.

O Ministério da Defesa inicialmente estimou o custo desse trabalho em torno de 400 milhões de libras, mas as projeções internas do Ministério de Defesa agora apresentam a cifra de mais de 2 bilhões de libras.

Hammond disse esta semana que, desde a revisão de defesa, “os fatos mudaram” na escolha das aeronaves para os novas porta-aviões.

Na tentativa de equilibrar o orçamento de defesa, depois de anos de gastos excessivos, Hammond disse ontem aos ministros que o aumento do custo deve levar ao abandono das aeronaves que exigem catapultas para serem lançados.

O Daily Telegraph no início deste mês revelou um documento sigiloso do Ministério da Defesa mostrando que os planejadores militares consideram a versão F-35B como menos útil e poderosa do que a variante F-35C.

Apesar do constrangimento de derrubar a decisão, os ministros argumentam que a mudança poderia trazer alguns benefícios militares para o Reino Unido. Em particular, a compra dos jatos de decolagem curta e pouso vertical poderia significar que a próxima geração de porta-aviões está pronta para navegar.

A decisão de instalar catapultas nos novos porta-aviões poderia retardar a chegada das novas embarcações para pelo menos até 2020. Os atrasos na conclusão da aeronave F-35C poderia empurrar a data ainda mais tarde, para 2023 ou além, deixando o Reino Unido sem um porta-aviões operacional por pelo menos uma década.

Por outro lado, o desenvolvimento do caça F-35B deve proceder de forma mais suave do que o esperado, ou seja, o avião poderia estar pronto para voar a partir dos novos porta-aviões já em 2018.

Adotar também a versão F-35B poderia permitir que a Marinha Real tivesse dois porta-aviões operacionais. De acordo com a revisão, um dos novos porta-aviões teria que ser desativado para economizar dinheiro.

O Downing Street confirmou que uma declaração sobre o programa do porta-aviões era iminente.

Fonte: The Telegraph – Tradução e Adaptação do Texto: Cavok

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s