Governo pressiona aéreas para evitar problemas de cancelamento de voos

 

A pouco mais de dez dias para o Natal, o Ministério da Justiça resolveu pressionar as companhias aéreas a adotar maior transparência e melhor atendimento para os consumidores que quiserem comprar, cancelar ou remarcar bilhetes. O cenário pode ficar ainda mais complicado com a ameaça de greve de pilotos, comissários e equipes de solo, segundo o diretor substituto do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça, Amaury Oliva.

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac) ameaçou ontem cruzar os braços no próximo dia 22 se a pauta de correção salarial da categoria não for atendida. Ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Fentac defende aumento de 10% nos salários, mais um reajuste de 14% no valor dos pisos salariais. As empresas oferecem vencimentos 3% maiores e aumento de 6% nos pisos, em linha com a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) neste ano.

“Claro que essa situação de greve nos preocupa e fim do ano tem bastante remarcação e cancelamento de viagem. A gente espera que as empresas não precisem acionar um plano B”, afirmou Oliva. “Não queremos que o Procon dispute o consumidor com as empresas aéreas.” A notificação do DPDC foi encaminhada para TAM, Gol, Azul, Webjet e Avianca, as cinco maiores do mercado nacional. O departamento resolveu atacar o tema depois de verificar que as empresas adotam procedimentos diferentes, sem informações completas ao consumidor. Como a venda da passagem e o contato com a companhia se dá na maioria das vezes pela internet, algumas vezes o valor da multa só é informado quando o consumidor precisa resolver o seu problema.

Conflitos

A falta de informações acaba transformando em brigas muitos pedidos de cancelamento ou remarcação de passagens. “Nosso intuito é criar uma política para evitar esses conflitos. O Ministério da Justiça vai traçar um plano de ação assim que receber as informações.” As empresas têm de informar seus procedimentos ao DPDC em até dez dias.

Representantes do DPDC devem acompanhar fiscais da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em aeroportos durante o fim de ano, segundo Oliva, para fiscalizar o atendimento recebido pelos viajantes. “A Anac tem atribuição e competência para monitorar esse setor. O Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência sempre participa, está presente para evitar conflitos em atuação articulada com a agência.” O foco do pedido de informações encaminhado às áreas é descobrir como as companhias tratam o consumidor e sobre que pontos os passageiros precisariam ser informados e não são. Segundo Oliva, “os procedimentos às vezes não estão claros”. Ele citou que “são bastante diferentes as multas por cancelamento ou remarcação e as promoções não têm regras tão claras”. Um dos testes visa a descobrir se as aéreas cobram uma parcela do valor do bilhete para mudar o dia ou anular a viagem.

Oliva não soube dizer se o ministério usará os dados das empresas para emitir multas ou preparar um plano de ação voltado para períodos de maior movimento nos aeroportos, como o fim de ano e o carnaval.

Fonte: Agência Estado

Vulcão chileno volta a prejudicar voos no Brasil

 

As cinzas do vulcão chileno Puyehue voltaram a afetar voos do Brasil e de países vizinhos neste domingo, 16. A companhia aérea TAM informou, por meio de nota, que cancelou os voos com origem e destino aos aeroportos de Buenos Aires (Ezeiza e Aeroparque) e de Montevidéu, no Uruguai (veja lista no fim da página). O vulcão chileno interrompeu o tráfego aéreo da região após uma erupção em junho deste ano.

“Precisamos que a nuvem de cinzas passe antes de retomar as operações do aeroporto (Aeroparque)”, afirmou o secretário de transportes argentino Juan Pablo Schiavi, em declaração a TVs locais. Segundo ele, o aeroporto argentino atende voos domésticos e regionais.

No Uruguai, foram 15 partidas canceladas em Montevidéu, segundo informações da agência de notícias AFP. Além da TAM, as companhias aéreas Pluna e Lan também tiveram suas operações uruguaias afetadas.

Veja a lista de voos cancelados:

JJ 8020  de Porto Alegre para  Aeroparque – Buenos Aires

JJ 8021  de Aeroparque – Buenos Aires para Porto Alegre

JJ 8005  de Ezeiza – Buenos Aires para Guarulhos – São Paulo

JJ 8013  de Ezeiza – Buenos Aires para Galeão – Rio de Janeiro

JJ 8047  de Montevidéu para Guarulhos – São Paulo

JJ 8018  de Guarulhos – São Paulo para Ezeiza – Buenos Aires

JJ 8019  de Ezeiza – Buenos Aires para Guarulhos – São Paulo

JJ 8012  de Galeão – Rio de Janeiro para Ezeiza – Buenos Aires

JJ 8010  de Guarulhos – São Paulo  para Ezeiza – Buenos Aires

JJ 8046  de Guarulhos – São Paulo para Montevidéu

Fonte: Agência Estado

Cinzas de vulcão chileno interrompem voos na Austrália

Airbus A380 da Qantas em Sydney

A nuvem de cinzas proveniente de um complexo vulcânico no Chile provocou o caos na aviação australiana e levou a principal companhia aérea do país, a Qantas, a cancelar voos de e para o principal aeroporto da Austrália na terça e na quarta-feira.

A empresa Virgin Australia também cancelou nesta terça-feira voos domésticos de e para Sydney e outras importantes cidades do país.

A porta-voz da Qantas, Olivia Wirth, disse que permaneceriam em solo durante toda a quarta-feira os aviões que fariam trajetos tendo como ponto de partida ou destino os aeroportos de Sydney, Melbourne e da capital, Canberra.

Segundo Wirth, os cancelamentos afetariam mais de 200 voos e cerca de 20 mil passageiros por dia. Os voos internacionais esperados em Sydney nesta terça-feira à noite seriam desviados para a cidade de Brisbane, declarou.

“Nós, de fato, esperamos novos atrasos nas próximas 24 a 48 horas”, disse Wirth a repórteres, acrescentando que a Qantas recebe a cada três horas informações atualizadas sobre a nuvem de cinzas.

As cinzas lançadas pelo complexo vulcânico de Puyehue-Cordón Caulle, que entrou em erupção no dia 4 de junho, depois de décadas inativo, forçou o cancelamento de centenas de voos nas últimas semanas por causa do risco potencial de a cinza danificar os motores dos jatos.

O impacto foi sentido especialmente na Argentina e Uruguai, mas também prejudicou os vôos na Nova Zelândia, Austrália e Brasil. Na América do Sul, no entanto, a situação já foi normalizada.

A nuvem afetou pela primeira vez os voos entre a Nova Zelândia e a Austrália há dez dias, o que levou ao cancelamento de várias viagens.

PREVISÃO DE MELHORA

Na manhã desta terça-feira, a Qantas informou ter desviado voos procedentes de Johanesburgo e Cingapura para Brisbane, retardado dois outros vindos de Los Angeles e cancelado seis entre a Austrália e a Nova Zelândia. O aeroporto de Sydney informou ter cancelado voos para o Havaí e Bali, na Indonésia.

A Qantas também adiou dois voos para Londres e um para Frankfurt, disse outro porta-voz.

O órgão australiano que monitora as cinzas informou que a nuvem percorreu mais de 4 mil quilômetros em 24 horas e fortes ventos a tinham conduzido em direção ao sudeste da Austrália, mas a previsão era que o céu estaria limpo na até a noite de quarta-feira.

(Reportagem de Sonali Paul e James Grubel em Canberra)

Fonte: Agência Estado

Aeroportos voltam a operar em Buenos Aires, diz órgão regulador

Aeronave coberta de cinzas vulcânicas

Os aeroportos de Buenos Aires, os principais da Argentina, voltarão a operar gradualmente na noite de terça-feira devido a uma súbita melhora nas condições climáticas que ajudou a dissipar uma nuvem de cinzas vulcânicas sobre o espaço aéreo local.

Até as 17h (horário de Brasília), apenas um avião havia pousado no maior aeroporto internacional do país, Ezeiza, a 30 quilômetros do centro de Buenos Aires, enquanto as principais companhias aéreas mantinham suspensos seus serviços na Argentina por conta das cinzas do vulcão chileno.

A erupção do complexo de vulcões Puyehue-Cordón Caulle prejudica há 10 dias o sistema aéreo no Cone Sul e milhares de passageiros estão retidos devido à suspensão dos voos, especialmente na capital argentina.

“A nuvem de cinzas vulcânicas emitida pelo vulcão chileno Puyehue diminuiu seu teor e reduziu seu impacto, e a previsão para o que resta do dia assim como para as primeiras horas de quarta-feira é favorável para a navegação aérea”, disse a agência reguladora do setor.

As companhias aéreas TAM e Gol anunciaram a retomada dos voos para Argentina, Paraguai e Uruguai na tarde de terça-feira considerando a melhora nas condições meteorológicas.

A Administração Nacional de Aviação Civil (Anac) argentina acrescentou que os dois aeroportos que servem Buenos Aires (Ezeiza e Aeroparque) estão abertos e em condições de reiniciar as operações lentamente a partir das 21h, depois de trabalhos de manutenção e varredura das cinzas.

Nas cidades patagônicas próximas ao vulcão, onde foi decretada emergência agropecuária e as ruas estão cobertas de cinzas vulcânicas, os aeroportos continuam fechados.

(Por Guido Nejamkis, em Buenos Aires, com reportagem adicional de Alberto Alerigi Jr., Eduardo Simões e Bruno Marfinati, em São Paulo)

Fonte: Agência Estado

Companhias aéreas do País começam a retomar voos internacionais

 

Com a diminuição da densidade da nuvem de cinzas causada pelo vulcão chileno na tarde desta terça-feira, 14, algumas companhias aéreas brasileiras decidiram retomar as operações dos voos afetados.

A TAM informou que já operava normalmente seus voos de e para Buenos Aires e Montevidéu desde as 17h. A empresa afirmou que continuará avaliando as condições de voo nestas rotas e, caso haja riscos, poderá voltar a suspender a operação. A Gol também anunciou que retomou as decolagens para Buenos Aires e Rosário, na Argentina, e para Montevidéu, no Uruguai, às 17h.

A nuvem de cinzas originada por erupções do vulcão Puyehue prejudica as operações no País desde a semana passada. Só hoje, 29 voos internacionais foram cancelados até as 18h30.

A emissão de fumaça no Puyehue, porém, perde intensidade, de acordo com o Volcanic Ash Advisory Centres da Argentina (VAAC), instituto responsável pelo monitoramento da situação no Cone Sul. A informação é repassada pela Força Aérea Brasileira (FAB).

Segundo o Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), o relatório aponta também que a nuvem está mais baixa a cerca de 1.000 metros.

Para entrar em contato com as companhias:

 

Central de Atendimento TAM

– Capitais 4002-5700

– Demais cidades 0800-570-5700

– Argentina 0810-333-3333

– Chile 56 2 6767 900

– Paraguai 595 21 659 5000

– Uruguai 000-4019-0223

 

Central de Atendimento Gol

– Brasil 0300-115-2121

– Argentina 0810-266-3232

– Uruguai 5098-2403-8007

 

Texto atualizado às 18h36.

Fonte: Agência Estado

Tam cancela mais uma vez voos com destino Uruguai

 

A Tam havia retornado às operações, mas em virtude da movimentação da nuvem de cinzas do vulcão chileno Puyehue, os voos de e para Montevidéu (Uruguai) da manhã e na tarde de hoje foram cancelados novamente. As operações nos aeroportos de Buenos Aires (Aeroparque e Ezeiza) também permanecem suspensas. Para mais informações, acesse www.tam.com.br ou ligue para um dos números abaixo:

 

Central de Atendimento TAM

– Capitais 4002-5700

– Demais cidades 0800-570-5700

– Argentina 0810-333-3333

– Chile 56 2 6767 900

– Paraguai 595 21 659 5000

– Uruguai 000-4019-0223

Nuvem vulcânica volta a atingir Sul do Brasil; voos são cancelados

Vulcão Puyehue e sua grande nuvem de cinzas

A nuvem de cinza vulcânica voltou a atingir na manhã desta terça-feira, 14, Porto Alegre e parte de Florianópolis, segundo o boletim emitido pelo Volcanic Ash Advisory Centres da Argentina, instituto responsável pelo monitoramento da situação no Cone Sul. A informação foi divulgada pela Força Aérea Brasileira (FAB). A nuvem está a 3.000 metros de altitude e, segundo o relatório, desloca-se no sentido de Navegantes, no Vale do Itajaí.

Em nota, a TAM informou que devido à movimentação de uma nova nuvem de cinzas do vulcão chileno Puyehue, os voos de e para Montevidéu, no Uruguai, marcados para hoje foram cancelados novamente. As operações nos aeroportos de Buenos Aires, Argentina, também permanecem suspensas. Os clientes devem ligar para a Central de Atendimento da companhia.

Já a Gol disse que todos os voos com destinos a essas cidades continuam suspensos. Segundo a companhia, os clientes estão sendo avisados por telefone ou e-mail sobre os cancelamentos ou remarcações. A empresa também pede que os passageiros entrem em contato para agilizar o processo e se informarem.

A companhia argentina LAN, em comunicado, disse que ainda espera a atualização das autoridades sobre o funcionamento dos aeroportos na Argentina para retomar as operações. Até as 14h, a empresa disse que os voos estariam cancelados.

A Pluna não foi encontrada para comentar a nova movimentação da nuvem de cinzas. Mais cedo, no entanto, afirmou que parte dos voos havia sido afetadas, mas que as operações com destino ao Uruguai continuavam. Inclusive, o voo com a delegação do Santos que segue para Montevidéu para a final da Libertadores decolou normalmente, por volta das 10h.

De acordo com boletim da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), até as 11 horas, 16 das 72 partidas internacionais previstas foram canceladas e sete sofreram atrasos.

 

Central de Atendimento TAM

– Capitais 4002-5700

– Demais cidades 0800-570-5700

– Argentina 0810-333-3333

– Chile 56 2 6767 900

– Paraguai 595 21 659 5000

– Uruguai 000-4019-0223

 

Central de Atendimento Gol

– Brasil 0300-115-2121

– Argentina 0810-266-3232

– Uruguai 5098-2403-8007

 

Pluna

– Brasil 0800-8923080 (por celular 11 3711 9158)

– Montevidéu (+598) 2 401 5000

– Buenos Aires (+5411) 4132 4444

– Santiago do Chile (+562) 595 2879

– Assunção 009 800 11 0001

 

LAN Argentina

– Brasil 0300 788 0045

– Argentina 0810 9999 526

– Uruguai 598 2902 3881

– Chile 600 526 2000