Demanda de aéreo doméstico cresce 6,2% em agosto

A demanda do transporte aéreo doméstico de passageiros (passageiros-quilômetros pagos transportados – RPK*) cresceu 6,72% em agosto, em relação ao mesmo mês do ano passado. Já a oferta (assentos-quilômetros oferecidos – ASK**), aumentou 0,6% no mesmo período. O resultado da oferta interrompe a série de crescimento superior a 10% para o mês de agosto, verificada nos cinco anos imediatamente anteriores (13,44%, 19,22%, 19,69% e 10,10% e 21,86% em agosto/2011, 2010, 2009, 2008 e 2007, respectivamente).

A demanda acumulada janeiro a agosto cresceu 7,26%, em relação ao mesmo período de 2011. A oferta subiu 6,51%. No mercado do transporte aéreo internacional de passageiros, a demanda das empresas aéreas brasileiras teve redução de 2,65% em agosto de 2012, comparada ao mesmo mês de 2011. A oferta registrou queda de 3,77% no mesmo período. No acumulado de janeiro a agosto de 2012, houve crescimento da demanda em 0,18%, enquanto a oferta registrou redução de 2,05% quando comparada com o mesmo período de 2011.

Entre as seis empresas que apresentaram participação no mercado doméstico superior a 1% (em RPK), Avianca e Trip destacaram-se com as maiores taxas de crescimento da demanda em agosto de 2012 quando comparadas com o mesmo mês de 2011, da ordem de 53,12% e 45,77%, respectivamente. O Grupo Tam, que reúne as operações das empresas Tam Linhas Aéreas e Pantanal Linhas Aéreas,  teve crescimento de 12,58% na demanda doméstica de agosto de 2012, quando comparado com o mesmo mês do ano anterior, e redução de 2,02% na demanda internacional. No mesmo período, a empresa aérea Gol registrou redução de 6,32% na demanda doméstica e ampliação de 4,60% na demanda internacional.

Market Share

A participação no mercado doméstico das empresas de menor porte cresceu 11,7% em agosto de 2012.  Com esse aumento o market share dessas empresas passou de 22,7% em agosto de 2011 para 25,3% no mesmo período deste ano. Entre as 6 empresas que apresentaram participação no mercado doméstico superior a 1% (passageiros-quilômetros pagos transportados – RPK), Avianca e Trip registraram o maior crescimento na participação de mercado em agosto de 2012 quando comparada com o mesmo mês de 2011, tendo passado de 3,56% para 5,10% (crescimento de 43,47%) e de 3,43% para 4,69% (crescimento de 36,58%), respectivamente.

Grupo Tam e Gol lideraram o mercado doméstico em agosto de 2012 com participação (em RPK) de 40,55% e de 34,14%, respectivamente. O Grupo Tam aumentou sua participação de mercado em 5,5% no comparativo de agosto de 2012 e agosto de 2011, tendo passado de 38,45% para 40,55%. Já a Gol teve reduzida em 12,2% a sua participação no mesmo período, tendo passado de 38,89% para 34,14%. No acumulado do período de janeiro a agosto de 2012, a participação das líderes alcançou 74%, sendo 40,08% para o Grupo Tam e 33,93% para a Gol.

Os líderes do mercado doméstico, Tam e Gol, representaram a totalidade das operações de empresas brasileiras no transporte aéreo internacional de passageiros em agosto de 2012. O Grupo Tam, com 89,83%, e Gol, com 10,17%. O Grupo Tam registrou um aumento de 0,65% na sua participação no mercado internacional de agosto de 2012 em relação ao mesmo mês de 2011. Já a participação da Gol apresentou crescimento 7,45% no mesmo período.

Taxa de Ocupação

A taxa de ocupação dos voos domésticos de passageiros (RPK/ASK) alcançou 72,83% em agosto de 2012, contra 68,65% no mesmo mês de 2011, o que representou uma recuperação de 6,09%. No período de janeiro a agosto de 2012, a taxa manteve-se praticamente estável se comparada ao mesmo período de 2011, passando de 71,08% em 2011 para 71,58% em 2012.

Nos voos internacionais de passageiros operados por empresas brasileiras (RPK/ASK), a taxa de ocupação alcançou 79,03% em agosto de 2012, contra 78,12% do mesmo mês de 2011, representando uma variação positiva de 1,17%. O melhor aproveitamento em agosto de 2012 foi alcançado pelo Grupo Tam, com 81,36%, enquanto que o desempenho da GOL foi de 63,06%.

Entre as seis empresas que apresentaram participação no mercado doméstico superior a 1% (em RPK), as maiores taxas de ocupação em agosto de 2012 foram alcançadas por Azul e Avianca, com 75,14% e 74,57%, respectivamente.

Fonte: http://www.mercadoeeventos.com.br

Webjet lança promoção com 30% de desconto

 

Boeing 737-300 da Webjet @ SBGR

A Webjet vai oferecer aos viajantes mais uma promoçã. Um código promocional estará ativo a partir de meia noite da próxima sexta-feira (madrugada de quinta para sexta-feira) até as 23h59 do próximo domingo. Este código promocional dará 30% de desconto para qualquer preço veiculado no site da empresa, o que significa que todas as 18 cidades cobertas pela Webjet serão contempladas.

Para visualizar o desconto, o internauta deve escolher um destino na home do site, com sugestões de datas de partida e retorno, e clicar em “compre aqui”. Acima dos resultados com os respectivos preços, é preciso digitar a palavra “barato” no campo “código promocional” e, em seguida, clicar em “aplicar”. As viagens podem ser marcadas para o período de 1° de junho a 05 de julho deste ano, exceto para os dias 6, 7, 10 e 11 de junho.

Será possível parcelar a compra em até 6 vezes sem juros nos cartões de crédito, com parcela mínima de R$ 39,90. O site dispõe ainda facilidades como o Webcheck in, que pode ser feito logo após a validação do bilhete, tudo de forma rápida, prática e sem filas. Para quem se conecta nas redes sociais, a empresa tem dicas especiais e descontos exclusivos para quem curte sua Fan Page no Facebook.

Julio Perotti, presidente da Webjet, destaca que além dos preços, a Webjet é uma das empresas mais eficientes do mercado. “Há 14 meses consecutivos somos a companhia mais pontual, o que mostra nosso compromisso em bem atender a todos os passageiros”, destaca o executivo se referindo aos dados fornecidos diariamente pela página da Infraero.

Fonte: www.mercadoeeventos.com.br

Gol corta 14 aviões da frota até 2013

 

Varig (Gol) | Boeing 737-700

As ações da Gol linhas Aéreas registraram a maior alta do Ibovespa na sexta-feira, de 5,18%, apesar de a empresa ter divulgado prejuízo de R$ 41,4 milhões, revertendo lucro de R$ 69,4 milhões em igual período de 2011. Na visão dos investidores da bolsa, a Gol começa a obter sucesso na política de redução de custos, especialmente com a revisão do seu planejamento de frota, divulgada no mesmo dia, que prevê a redução de 14 aviões até 2013.

A Gol encerrou 2011 com 150 aviões no total, mas terá 138 ao final deste ano. Em 2013, a companhia prevê frota total de 136 aeronaves. Em 2014, a Gol começa a retomar o crescimento de sua frota, com 140 unidades. Esses números incluem a Webjet, adquirida por ela em julho do ano passado.

“Esse planejamento de frota confirma que a Gol vai manter a estratégia de redução de capacidade. Assim, ela pode obter uma taxa de ocupação dos aviões e um yield (rentabilidade) mais saudáveis”, diz o analista de aviação do banco UBS, Victor Mizusaki.

O diretor financeiro da Gol, Edmar Prado Lopes, estima que a Gol vai deixar de gastar US$ 500 milhões até 2014, com a revisão do plano de frota. Isso vai acontecer porque a empresa, que receberia sete aviões novos da família 737-800, da Boeing, vai repassá-los à Webjet – ou seja, não comprará aviões novos para sua controlada. Webjet opera atualmente com 24 aviões, a maioria de 737-300.

Lopes enfatiza que, apesar da redução líquida no número de aeronaves, a oferta vai se adequar à necessidade da Webjet porque o modelo 787-800 tem cerca de 40 assentos a mais do que o modelo 737-300 e é mais produtivo.

Segundo ele, a Gol não alterou seu pedido com a americana Boeing, que prevê a entrega de 90 aeronaves do modelo 737 até 2018. Os contratos foram assinados antes da compra da Webjet, em julho de 2011.

O presidente da Gol, Constantino de Oliveira Junior, chamou a atenção para a redução de custos no primeiro trimestre. O custo operacional por assento disponível, exceto combustível (CASK ex-combustível) da Gol encerrou o primeiro trimestre em R$ 8,63, redução de 3,9% ante igual período de 2011 e recuo de 8,9% na comparação com o quarto trimestre de 2011. “Isso mostra a direção da empresa no modelo de negócios de baixo custo e baixa tarifa”, afirmou Constantino.

O vice-presidente financeiro e de relações com investidores da Gol, Leonardo Pereira, destacou a melhora da situação financeira da companhia nos últimos anos. Ele comparou a atual situação da empresa com a de 2008, quando a Gol registrou o maior prejuízo de sua história, de R$ 1,3 bilhão.

Segundo ele, em 2008 praticamente 100% da dívida da companhia era em dólar, mas atualmente esse nível caiu para 70%. Há quatro anos, 30% do endividamento da empresa era no curto prazo, mas hoje em dia essa relação foi reduzida para 10%. Pereira afirmou que o atual caixa da companhia é de R$ 2,2 bilhões, sendo que, em meados de 2008, estava no patamar de R$ 200 milhões.

A participação da Gol linhas Aéreas no mercado doméstico, de 34,44% em março, deverá ficar estável ao longo do ano, segundo Constantino. Para ele, apesar de a Gol esperar um crescimento de demanda doméstica entre 5% e 7% neste ano, sua participação de mercado vai permanecer estável porque a empresa está promovendo uma redução de oferta de até 2% para aumentar a rentabilidade da operação.

“O mercado mostrou na sexta-feira que a Gol pode voltar a ter margem operacional de dois dígitos. O mercado aposta que isso é possível”, afirma o analista da Omar Camargo Investimentos, Felipe Rocha.

Fonte: Valor Econômico

Webjet é a companhia aérea mais pontual nos últimos 14 meses

 

Boeing 737-800 da Webjet @ SBGR

Segundo dados diários publicados pela Infraero em sua página na internet e apurados pela companhia, a Webjet foi considerada a empresa aérea mais pontual do mercado brasileiro pelo 14º mês consecutivo. De março de 2011 até abril deste ano a companhia mantém um índice superior a 90%.

Com o objetivo de continuar com a pontualidade doa voos, a companhia pretende mudou suas operações para o novo Terminal 4 do aeroporto de Guarulhos e lançou o “Totem com Balança”, que dá a possibilidade ao passageiro de efetuar seu próprio check in com despacho de bagagem.

Julio Perotti, presidente da Webjet, acredita que com o empenho de toda sua equipe e os investimentos que estão programados para os próximos meses a empresa continuará a apresentar ótimos resultados ao cliente. “O caminho que percorremos para conseguir o primeiro lugar em pontualidade nos deu uma expertise única dentro do setor. Hoje, o nosso passageiro já começa a perceber que além de oferecermos as tarifas mais em conta do mercado também somos aquela que tem a viagem dentro do horário previsto”, disse Perotti.

Para o executivo a chegada de oito novos aviões 737-800 até novembro reforça ainda mais o compromisso firmado em permanecer como uma das  aéreas mais eficientes do setor.

Fonte: www.mercadoeeventos.com.br

Companhias aéreas pedem 119 dos 227 slots disponíveis em Congonhas

 

As companhias aéreas solicitaram 119 dos 227 slots (autorizações de pouso e decolagem) do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, colocados à disposição pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Todos eram para voos no final de semana – Congonhas, que é um dos aeroportos mais movimentados do País, não tem mais disponibilidade de horário para voos de segunda a sexta-feira.

Dos 125 slots disponíveis para sábado, 58 foram solicitados. Dos 102 disponíveis para domingo, houve demanda para 61. A reunião que definiu a distribuição dos slots ocorreu na sede da Anac em São Paulo e durou cerca de duas horas. Foram 59 rodadas

A empresa que solicitou o maior número de novos pousos e decolagens foi a WebJet, adquirida pela Gol no ano passado: foram 38 slots, sendo 18 deles no sábado e 20 no domingo.

Em segundo lugar ficou a própria Gol, com 32 slots, 15 no sábado e 17 no domingo. A Passaredo ficou em terceiro lugar, com 16 slots (8 no sábado e 8 no domingo), seguida pela TAM, com 15 slots (7 no sábado e 8 no domingo), a Avianca, com 14 slots (8 no sábado e 6 no domingo) e a NHT, com 4 slots (2 no sábado e 2 no domingo).

Com isso, a Passaredo será a nova empresa a oferecer voos em Congonhas. Atualmente, as seguintes companhias oferecem voos no aeroporto da capital paulista: TAM, Gol, Avianca, NHT, Pantanal (que pertence à TAM), WebJet (que pertence à Gol) e Azul.

A solicitação de um no slot não significa necessariamente que a empresa lançará um novo voo. Ela pode usar o slot, por exemplo, para oferecer uma nova conexão num voo já existente. Um exemplo: um voo que faz a rota Porto Alegre – Brasília, hoje, pode usar os novos slots para fazer uma parada em São Paulo, no aeroporto de Congonhas.

A próxima fase é a de habilitação das empresas que participaram da distribuição dos slots hoje. Pelas regras, isso ocorrerá até o dia 18 de maio, mas a Anac informou que pretende antecipar essa data, sem informar para quando. Feita a habilitação, o processo de redistribuição dos slots será submetida à diretoria da Anac para homologação do resultado.

Fonte: Agência Estado

Webjet inicia projeto para aumentar eficiência nos aeroportos

 

Boeing 737-300 da Webjet @ SBGR

A Webjet acaba de lançar em Guarulhos a possibilidade de o passageiro efetuar seu próprio check in com despacho de bagagem nos totens. A companhia disponibilizou dois equipamentos deste tipo no Terminal 4 e neles o cliente pode imprimir seu bilhete aéreo, pesar a bagagem e despachá-la e realizar inclusive o pagamento por excesso de peso se for o caso, tudo de forma simples, rápida e eficiente.

A nova ferramenta já está disponível experimentalmente. O serviço de automação de check in com balança tem como objetivo dar ainda mais agilidade a operação da companhia, evitando filas no embarque proporcionando economia do tempo do passageiro no aeroporto. É a primeira vez na América Latina que uma empresa aérea investe em uma tecnologia como esta.

Fonte: www.mercadoeeventos.com.br

Webjet foca em preço e venda a bordo

 

Webjet | Boeing 737-300 @ SBGR

A Webjet definiu planos para os próximos dois anos, embora aguarde a avaliação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre a compra de 100% do seu capital pela Gol, anunciada em julho de 2011. Em sua primeira entrevista desde que se tornou presidente da Webjet, em dezembro de 2011, Julio Perotti disse ao Valor que a permanência da marca está condicionada à decisão do Cade.

Enquanto aguarda esse aval, o executivo conta que a quarta maior empresa aérea brasileira vai cobrar neste ano, em média, 20% menos do que a concorrência, incluindo a própria Gol.

A Webjet, que em quase sete anos de existência quase parou por duas vezes e teve quatro donos diferentes, vai vender mercadorias a bordo, como relógios ou perfumes, por exemplo, a partir do segundo semestre deste ano.

A companhia também iniciará a venda de passagens rodoviárias interestaduais, complementando seus voos com duas das maiores empresas de ônibus do país, cujos nomes não foram revelados.

“A primeira coisa que precisa acontecer para direcionar qualquer intenção de trabalhar com a marca vai depender do que o Cade colocar, que vai ser a base do que vai ocorrer no futuro”, respondeu Perotti, ao ser questionado se é 100% certo que a marca Webjet vai continuar existindo.

Poucos dias depois de ter anunciado a compra da Webjet, em julho de 2011, a Gol chegou a informar que a marca seria extinta. Executivos da Gol foram ao Cade comunicar que o antigo proprietário da Webjet, o empresário Guilherme Paulus, teria interesse em usar o nome para serviços de turismo.

Em outubro, a Gol e o Cade assinaram um Acordo de Preservação da Reversibilidade de Operação (Apro), suspendendo a fusão com a Webjet até a palavra final do conselho. Naquela época, o Valor publicou que, para o Cade, seria melhor a manutenção de mais uma marca de baixo custo para estimular a concorrência.

“Não temos vontade de ser a Ryanair brasileira. O que a gente conseguiu fazer foi aprender e entender os princípios do transporte como essência do negócio”, disse Perotti. Ele lembrou que por dois anos, Charles Clifton, um dos fundadores da Ryanair, irlandesa de baixo custo, participou do conselho de administração da Webjet e contribuiu para o modelo de negócios atual da companhia.

A venda de mercadorias a bordo segue a estratégia da Webjet de aumentar a receita com serviços auxiliares. Desde setembro de 2010, a Webjet cobra pelo lanche e pelo copo d’água em todos os seus voos diários, atualmente 156. Essa cobrança responde por 0,5% do faturamento. “Quem disse que o lanche é grátis? Está embutido no preço, ninguém faz nada de graça. Ao tirar o preço do lanche do preço da passagem, eu consigo oferecer preços mais baratos”, afirmou.

A TAM faz um teste com venda de mercadorias a bordo desde setembro de 2011, em cinco voos domésticos. Todos decolam do Aeroporto Internacional de Guarulhos (Cumbica) com destino em Fortaleza e Recife. A companhia batizou essa iniciativa de “Fly Shopping”.

O projeto da Webjet de vender passagens de ônibus para complementar seus voos deve começar até o fim deste primeiro semestre. Em uma primeira fase, a venda será realizada apenas no site. Mas, no futuro, a ideia é vender passagens rodoviárias nos guichês dos aeroportos e as companhias de ônibus poderão vender bilhetes aéreos nas rodoviárias.

A TAM foi a primeira a vender passagens aéreas combinadas com viagens de ônibus, em março de 2011. A parceria foi desenvolvida com a Pássaro Marron, maior empresa do Vale do Paraíba. Mas essa iniciativa foi abortada seis meses depois, com a venda da Pássaro Marron para o grupo Comporte, composto por integrantes da família Constantino, fundadora da Gol. O Comporte, porém, não tem vínculo acionário com a Gol.

A frota atual de 24 aviões da Webjet será reduzida para 21 em 2013, quando a empresa terá apenas modelos 737-800, mais novos e maiores do que o 737-300. A oferta de assentos será mantida nos níveis atuais porque o 737-800 tem capacidade 24% maior do que o modelo anterior. Perotti diz que, em 2012, a Webjet vai permanecer com a atual participação de mercado, em torno de 6%.

Fonte: http://www.valor.com…o-e-venda-bordo